Projeto Ave Missões: Pesquisa, Educação Ambiental e Conservação com Aves da Região Noroeste do Rio Grande do Sul

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Um pouco de Falcoaria...

Recentemente tive a oportunidade de participar em Passo Fundo de um curso de Falcoaria promovido pela Hayabusa Falcoaria e Consultoria Ambiental. Achei interessante compartilhar um pouco do que aprendi no curso sobre esta arte, suas aplicações em nossa realidade e o maior conhecimento que ela traz sobre rapinantes.


Falcão-de-coleira (Falco femoralis) se preparando para a técnica de voo ao Lure. Foto: D. Meller.

          A Falcoaria é uma arte praticada há muito tempo, especialmente por motivos de caça, mas atualmente ela é também utilizada na área da conservação (lembrando que mesmo esse tipo de caça é proibida no Brasil). A técnica é especialmente útil na captura de aves em aeroportos, prevenindo acidentes com aviões, mas também é utilizada em outras situações, como controle de pombos, por exemplo. Na área da educação ambiental é muito importante, à medida que o conhecimento sobre estas aves conscientiza as pessoas a não as maltratarem.

Coruja-de-igreja (Tyto alba), umas das espécies que sofrem abates por causa de superstições infundadas. Foto: D. Meller.

          Uma das possibilidades mais interessantes é utilizar o treinamento da falcoaria para reabilitação de indivíduos machucados ou jovens que caem do ninho. Eu mesmo já tive contato com aves de rapina debilitadas e nunca soube exatamente o que fazer. Na verdade, é importante o acompanhamento de um veterinário que, aliado ao trabalho do biólogo, pode ajudar a salvar uma destas aves. Existem alguns centros que fazem este tipo de trabalho, um deles é o Güira Oga, na Argentina.

Carcará (Caracara plancus) no poleiro em arco, com capuz para tapar a visão, a fim de manter a ave tranquila. Foto: D. Meller.
                    
          Manejar uma ave de rapina é impressionante, o senso de direção perfeito da ave, sua leveza e habilidade de voo fascinam qualquer um. Esse é um dos motivos pelos quais algumas pessoas gostariam de tê-las como animais de estimação. Particularmente, não é o meu caso. Essas aves exigem bastante cuidado e teria um pouco de remorso em ter uma destas simplesmente por prazer. Por isso ainda prefiro vê-las em liberdade, mas entendo a importância do trabalho de alguns falcoeiros, os quais conseguem reproduzir com sucesso várias espécies, tendo a possibilidade de reintroduzir na natureza aquelas ameaçadas de extinção.

Gavião-asa-de-telha (Parabuteo unincictus) realizando voo ao punho. Foto: D. Meller.

Gavião-asa-de-telha (Parabuteo unincictus) realizando voo ao punho. Foto: D. Meller.

          Obviamente, não só rapinantes são encontrados com necessidade de ajuda para reabilitação, mas salvar uma destas aves é especialmente importante, já que são naturalmente escassas, e mais ainda aquelas ameaçadas de extinção. Além de tudo, a reabilitação de rapinantes parece ser algo muito gratificante, e as oportunidades sempre aparecem, claro que exigem cuidados, dedicação, mas reabilitar a liberdade de um gavião ou coruja deve ter um sabor muito especial.
          Curiosamente, durante o curso, chegou até mim, através de minha namorada, a informação de uma coruja-de-igreja (T. alba) debilitada em Santo Ângelo, por enquanto aos cuidados de uma veterinária. Tomara ela tenha condições de voltar à natureza e quem sabe possa ajudar pondo em prática um pouco do que aprendi no curso.

Eu com um gavião-asa-de-telha (P. unincictus) ao punho durante curso de Falcoaria em Passo Fundo. Foto: Gustavo Trainini.

          Agradecimentos ao pessoal que ministrou o curso, especialmente ao Gustavo Trainini, e aos organizadores do Curso de Medicina Veterinária da UPF.

Grupo que participou do Curso de Falcoaria em Passo Fundo com Gustavo Trainini.

9 comentários:

  1. Que beleza , Dante ... apesar de também preferir ver as aves livres, ter uma destas na mão deve ser um espetáculo, hein ?!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Paulo! É mesmo uma sensação incrível... Abraço!

      Excluir
  2. Muito interessante a postagem! Sempre temos algo a aprender nos mais diversos segmentos! Que bom que conseguistes aliar esta especialidade com teus valores conservacionistas! Lindas as fotos! Deve mesmo ser ALGO ter uma destas na mão... Show!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigado, Lu! É sempre uma alegria ler seus comentários... e que bom mesmo a possibilidade de utilizar a falcoaria em fins conservacionistas. =)

      Excluir
  3. Que legal Dante!! Impressionante as fotos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Marco! Mas assim fica fácil fotografar tbm, hehehe. Na natureza é que o bicho pega mesmo. Abraço!

      Excluir
  4. Que interessante!Deu para aprender um pouco mais com este post!Valeu!

    ResponderExcluir
  5. muito legal msm to doido pra fazer o curso i ter uma coruja

    ResponderExcluir