Projeto Ave Missões: Pesquisa, Educação Ambiental e Conservação com Aves da Região Noroeste do Rio Grande do Sul

segunda-feira, 9 de julho de 2012

NovidAves em Santo Ângelo, RS

     Há cerca de 3-4 anos regularmente observamos as aves do município de Santo Ângelo. Em virtude disso, nossa lista de espécies começou estabilizar, e não contamos com nenhum acréscimo à sua riqueza nos últimos meses. Apesar do fato, registros interessantes têm sido feitos e merecem algum destaque.

Tucano-de-bico-verde em Santo Ângelo. Foto: D. Meller.


     
     Há poucos dias realizamos uma ida a campo no Cemitério Parque Jardim da Paz. Lá, observamos um falcão-de-coleira (Falco femoralis) tentando surpreender, sem sucesso, um bando de cardeais (Paroaria coronata). Ficamos contentes, pois são relativamente raros os encontros com esse falcão no município. Além de outras aves mais avistadas, vimos também um grupo de chopins-do-brejo (Pseudoleistes guirahuro) e uma calhandra-de-três-rabos (Mimus triurus). A última foi também encontrada recentemente em uma visita de observação de aves no município vizinho de Santa Rosa. É uma ave singela, que somente em voo revela a beleza e o motivo de seu nome.

Calhandra-de-três-rabos em Santa Rosa. Foto: D. Meller.


     
     Neste começo de semana o dia foi interessante. Primeiro, comecei auxiliando uma atividade de observação de aves na Escola municipal do Ciep, a convite da bolsista Daiane. Aproveitamos para caminhar à beira do rio Itaquarinchim, junto com alunos do ensino médio, onde registramos em pouco mais de uma hora cerca de 36 espécies. Isso tudo dentro da cidade... Mas o que me chamou atenção além da riqueza de espécies, foi a composição. Enquanto guaxes, biguás e caraúnas eram avistados, no fundo cantavam choca-de-chapéu-vermelho, joão-porca e petrim. Na volta enxergamos na mata ciliar um carão (Aramus guarauna), sendo esta apenas a segunda localidade que registramos este e o petrim (Synallaxis frontalis) no município.

Carão, uma das 10 últimas espécies acrescentadas à lista do município. Foto por D. Meller na Cascata do Comandaí.


Petrim, fotografado próximo ao sítio Água Doce, em Santo Ângelo. Foto: D. Meller.
     
     Pra fechar o dia, recebi um telefonema da amiga Adelita - um bando de tucanos! dizia ela. Óbvio que tive que ir lá ver. Há pouco tempo atrás não havia nenhum registro do tucano-de-bico-verde (Ramphastos dicolorus) em Santo Ângelo. Agora, eu mesmo já os vi duas vezes, e os relatos de terceiros são muitos...

Tucano-de-bico-verde em Santo Ângelo. Foto: D. Meller.
     
     Era um bando composto por cerca de 9 aves e alimentavam-se de árvores frutíferas nos pátios de residências da zona sul do município.

Bando de tucanos-de-bico-verde. Foto: D. Meller.


     
     Existem informações na literatura sobre tucanos abandonarem áreas de mato nos meses de inverno para se alimentarem em pomares de fruta, especialmente cítricas e abacateiros. Vimo-los também em ameixeiras, uvas-do-japão e cinamomos. 

Tucano-de-bico-verde em árvore de cinamomo. D. Meller.


     
     Muita gente aprecia estas aves. Enquanto alguns observam seus hábitos, outros param para tirar fotos, mesmo de celular! Só isso já demonstra o quanto tucanos despertam o interesse popular. Porém, existe também a constante preocupação com a captura e o abate das aves. Um dos tucanos que observamos tinha a parte de cima do bico quebrada, talvez por conta de alguma pedrada.

Tucano-de-bico-verde com maxila quebrada (à direita). Foto: D. Meller.

     O porquê da repentina presença das aves, e em bom número, não se sabe ao certo. Talvez a população esteja se expandindo pela região, notavelmente através das matas do rio Ijuí, às quais os tucanos parecem estar associados no município. Essas fazem ligação com o município de Ijuí, onde a espécie é observada com certa frequência. De qualquer forma, é um bom sinal de que devemos valorizar nossos rios e preservar suas matas, tanto pelas águas e animais, como por nós mesmos e pelo futuro de nossos filhos.

4 comentários:

  1. Bacana Dante! Este aparecimento repentino também aconteceu em Ijuí há uns dez anos, e principalmente depois de eu ter me mudado para Santa Catarina que os avistamentos se tornaram frequentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante, Adrian. Uma vez vi os tucanos na beira da estrada, quando passava por Ijuí. O bom seria se os araçaris tbm aparececem... hehehe Abraço

      Excluir
  2. Nossa Dante o registro do bando é incrível. Em Pejuçara também ocorreram bandos este ano.

    ResponderExcluir
  3. Olá Dante!

    parabéns pelo post e pelas atividades desenvolvidas! Aqui no sudoeste do Paraná, os tucanos são bem comuns. Eu bem que já havia reparado que no inverno eles aparecem mais em espaços abertos, aqui na UTFPR eles sempre aparecem perto das janelas, nos ipês amarelos, mas só nessa época. Eu e minha esposa também já avistamos bandos enormes por aqui. Numa ocasião, contamos 23 indivíduos.

    Abraços,

    Miguel Moreto

    ResponderExcluir