Projeto Ave Missões: Pesquisa, Educação Ambiental e Conservação com Aves da Região Noroeste do Rio Grande do Sul

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

O Canto dos Livres: Aves e Nativismo!

É fato que as aves inspiram fortemente a cultura musical da humanidade. Temos exemplos que variam desde Bob Marley com Three Little Birds até Luís Gonzaga com Asa Branca. Alguns além de terem canções inspiradas nos pássaros também os carregam no nome artístico. É o caso de Chitãozinho & Xororó - nomes inspirados no inambuxintã e no inambuxororó - que também demonstram inspiração nas aves ao cantar A Majestade o Sabiá.

Pela preservação de nossas raízes e de nossa natureza!

Na música nativista Rio-Grandense não é diferente. O gaúcho tem muita estima por sua pampa e são várias as canções em que a natureza está presente, seja sobre a lida do campo, o verde das matas, o murmurio dos rios ou a liberdade das aves. Existe até um troféu muito cobiçado na Califórnia da Canção Nativa nomeado Calhandra de Ouro, em simbologia a valores que a ave inspira ao gaúcho, tais como autenticidade, elegância, humildade e liberdade.

Sabiá-do-campo (ou calhandra) pousado na estátua do gaiteiro Tio Bilia, de Tadeu Martins, em Santo Ângelo. Foto: D. Meller.

Alguns cantores nativistas, como Wilson Paim, nos fazem lembrar que Ainda Existe um Lugar onde "o sol nascente vem sorrindo e os passarinhos cantam hinos no pomar. O chimarrão tem o sabor de esperança e a criança traz o futuro no olhar". E este cantor, na música Martim Pescador, ainda nos lembra que "longe é perto para quem vai buscar o peixe ao natural".

Martim-pescador-pequeno (Chloroceryle americana). Foto: D. Meller.

Dentre aqueles que cantam as coisas do campo, é muito respeitada a mensagem de Mano Lima, que em Cachoeira do Pau Ferro se compara ao tachã, "cacique emplumado dos pampas". Em Carão lembra que "o dia só amanhece pelo bico do carão". E que, por fim, na batida de um chamamé "leva os seus destinos nos arreios e um grito de urutau no coração", em No Bico de um Urutau.

Urutau (Nyctibius griseus). Foto: D. Meller

Carão (Aramus guarauna). Foto: D. Meller

Tachãs (Chauna torquata). Foto: D. Meller.

Não faltariam aqui também alguns troncos missioneiros... Em Sonho de Pescador, tanto Noel Guarany como Cenair Maicá cantam que a eles bastaria "um rio que murmura, um rancho para viver, um caíque pescador e um amor para querer... E o canto da passarada pra alegrar o amanhecer". O saudoso cantor das águas, em João Sem Terra, também nos lembra de seu velho amigo companheiro, o joão-de-barro, alertando: "mas te cuida joão barreiro que os homens vão te pegar"! E, em Canto dos Livres, uma das mais belas canções nativistas, o cantor missioneiro "quisera ter a alegria dos pássaros na sinfonia do alvorecer, e cantar para anunciar quando vem chuva e avisar que já vai anoitecer. E ao chegar a primavera com as flores, cantar um hino de paz e beleza, longe da prisão dos homens e da fome, pra nunca cantar tristeza".

João-de-barro (Furnarius rufus) sujo da terra vermelha e com águas da região do Alto Uruguai ao fundo. Foto: D. Meller.

Mencionamos também clássicos que não poderiam faltar. Dentre eles, Gildo de Freitas, em História dos Passarinhos, lembrando que "os pássaros, assim como os homens, também querem viver em liberdade". E Teixeirinha, em Amor aos Passarinhos, de forma semelhante lembra como "algumas pessoas são ingratas, prendem os pássaros para cantar em gaiolas". E exclama: "Abram as portas das gaiolas e soltem todos, abram também o seu ingrato coração"!

Curió (Sporophila angolensis), o pássaro canoro mais cobiçado do Brasil, ameaçado de extinção pelo engaiolamento. Foto: D. Meller.

Por fim, aquele que traz no nome já a homenagem: César Passarinho, que em Os Cardeias lembra que "tanta gente anda vagando sem saber onde pousar. Mas as aves, só voando é que podem se encontrar". E que em Canto Livre canta com sua alma dizendo que "vendo os pássaros cantar entendeu seu nascimento, e que há cantos que calam vozes e vozes que calam cantos. Como calar então o canto dos pássaros, se pra cantar nascem tantos"!!!

Cardeais-amarelos (Gubernatrix cristata) no Gramado Zoo. Raríssima, a espécie ainda pode ser encontrada em Uruguaiana, terra natal de César Passarinho. Foto: D. Meller.

Muitas outras canções devem haver sobre os pássaros, quem quiser deixar alguma de que lembre, por favor, agradeceremos que o faça nos comentários. Obrigado!

---------------------------------------------------------------------------------
Veja também:

Lago Grande do Sul?!
---------------------------------------------------------------------------------

17 comentários:

  1. Lindo post, unindo a cultura do RS e a natureza! Parabéns amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, amigo Charles! Se lembrar de alguma canção não deixe de compartilhá-la aqui. Forte abraço!

      Excluir
  2. "Sou missioneira... Nasci nos sete povos! [...] Minha alma pura tão leve como a gaivota... quando os valores e princípios vão sumindo, eu sou a cepa missioneira que rebrota..." Gosto muito dessa música e quando me recordo do voo de uma gaivota me sinto a voar em canto! Coisas que as aves nos proporcionam, nos inspiram e que o nativismo expressa muito bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem lembrado, e mais autêntica não poderia ser! Obrigado por mais esta contribuição, querida missioneira! Bjooo

      Excluir
    2. Coruja do Campo.... Jayme Caetano Braun

      Excluir
    3. Baita essa, Alfieri! Não conhecia... valeu por compartilhar! Abraço

      Excluir
  3. Excelente Post Dante.
    A musica missioneira não tem igual.
    Tem tambem Miguel Marques - O Canto do Sabiá
    Abraço.
    j-marcelo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas palavras e contribuição J-Marcelo!
      Baita música essa também!
      Grande abraço!

      Excluir
  4. Dante! um post de encher os olhos!

    Parabéns e um grande abraço!

    Miguel Moreto

    ResponderExcluir
  5. Que post poético! Lindo! Bela homenagem às aves e a cultura gaúcha. Sou gaúcha!Adorei as fotos e lembrar das músicas da minha terra natal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Juli! Quão bom é quando as aves inspiram valores assim. Certamente só em liberdade o fazem...
      Um abraço!

      Excluir
  6. No bico de um Urutau
    No bico do urutau geme a tristeza
    nas almas esquecidas deste chão
    que choram de saudade e incerteza
    nos campos a pediram oração.... acho que é por aí... do Mano Lima

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bah... isso que dah comentar antes de ler tudo...heheh mas valeu>

      Excluir
    2. Valeu, Eduardo!
      Na música os Quatro Missioneiros, o Jayme também se diz um Urutau.
      Abraço!

      Excluir
  7. Parabéns , belas imagens e lindas músicas !!! Lembro a música Do Fundo da Grota de Baitaca , que também fala de algumas aves e outros representantes da nossa fauna nativa , além é claro , de nativismo !
    Ass.:Lucas N Porto Alegre - RS

    ResponderExcluir
  8. Clique em http://clipesgauchos.com/ e assista os melhores vídeos da música gaúcha e nativista.

    ResponderExcluir