Projeto Ave Missões: Pesquisa, Educação Ambiental e Conservação com Aves da Região Noroeste do Rio Grande do Sul

quinta-feira, 1 de maio de 2014

A última hora no Parque Estadual do Turvo

* Por Paulo B. Rodrigues
Murucututu-de-barriga-amarela.
Neste último final de semana de Abril estivemos visitando nosso amigo Dante Meller, gestor e residente do Parque Estadual do Turvo (PET).

Comigo, minha esposa Márcia e também nossa querida amiga Luana, noiva do Dante.

Claro que fazia parte dos planos ”gastar” algumas horas na atividade de birdwatching... e ao chegarmos na sexta-feira a noite já encontramos um lindo murucututu-de-barriga-amarela ao lado da casa de nosso anfitrião!

Pavó (Pyroderus scutatus) no PET.

Durante o sábado pudemos desfrutar toda a generosidade do Turvo que nos presenteou com várias espécies para observação: bico-de-pimenta, trovoada-de-bertoni, tangará-dançador, araçari-castanho, pavó e outros, além de mamíferos: macacos-prego, tapitis e alguns roedores pequenos... Mas a grande estrela do sábado encontramos na estrada para o Yucumã, quando já à noitinha ouvimos o impressionante chamado do falcão-relógio! Conseguimos ainda vê-lo pousado numa grande árvore antes que a noite caísse por completo e mais ao longe, outro individuo respondia aos seus chamados, o que fez daquele, um momento muito especial para nós!

Falcão-relógio (Micrastur semitorquatus) no PET.

No domingo caminhamos pela trilha do porto Garcia e pudemos observar várias outras espécies: limpa-folha-ocráceo, marianinha-amarela, piolhinho-verdoso e o único beija flor do fim de semana: rabo-branco-de garganta-rajada. A Márcia que por um momento ficou sozinha na camionete, pode avistar ainda uma incrível irara, um belo mamífero da mesma família dos furões, lontras e ariranhas.

Rabo-branco-de-garganta-rajada (Phaethornis eurynome) no PET.

Havíamos planejado voltar para casa no meio da tarde pensando em evitar a estrada à noite, mas... como é difícil deixar o Turvo durante um dia ensolarado! Aquela tarde de domingo estava simplesmente esplêndida e resolvemos fazer mais uma caminhada antes de ir embora.  Iniciamos a “trilha das lagoas” pelo seu final, atrás do Centro de Visitantes, e esta sem dúvida foi a escolha certa! Pelo registro feito nas fotografias digitais, entramos na trilha as 16:40 hs e logo encontramos espécies que eu nunca tinha observado antes, numa sequencia maravilhosa de 4 lifers: guaracava-cinzenta; três pica-pau-reis de uma só vez, sendo um macho e duas fêmeas; um belíssimo gavião-pato sobrevoando a trilha; e, na parte mais densa da floresta, um furtivo vira-folha!

Fêmea do pica-pau-rei (Campephilus robustos) no PET.

Gavião-pato (Spizaetus melanoleucus) em voo no PET. Foto: D. Meller.

Vira-folha (Sclerurus scansor) no PET.

Ao sairmos na estrada em frente à lagoa das marrecas menos de uma hora depois de iniciar a trilha ainda topamos com um lindo gavião-preto pousado! Ficamos ali alguns minutos comemorando a grande “sorte” de atrasar o retorno para casa quando um imenso farfalhar de asas chamou nossa atenção para o céu: Um grande bando de patos-do-mato levantou voo ruidosamente da lagoa e passou sobre nossas cabeças seguindo seu grande guia, um macho que ao voar mostrava claramente a parte branca das asas!!! Estávamos radiantes... veja no vídeo editado pela Lu!!!


Assim, deixamos nosso afortunado anfitrião naquela que é o maior parque florestal do estado e ganhamos a estrada já noite fechada. Durante esta viagem de volta, quando as meninas fizeram uma pausa um pouco mais prolongada na conversa (rsss...), me dei conta que as vivencias nesta nossa ultima hora dentro do Turvo podiam deixar aquela falsa impressão de que a riqueza da natureza seja inesgotável, o que obviamente não é verdade! Principalmente quando o progresso ameaça afogar uma parte da floresta com suas hidrelétricas, e mesmo o incrível desnível no canal do Salto Grande (Yucumã), com seus impressionantes cem metros de profundidade, pode não perdurar após o nível das águas subir!

Naquela hora um só pensamento me deu esperanças e, paradoxalmente, também me trouxe grande desalento:  a preservação do PET, assim como do pouco que ainda resta da natureza como Deus a fez,  depende unicamente de nós... de nós, seres humanos!

---------------------------------------------------------------------------------
Veja também

---------------------------------------------------------------------------------

5 comentários:

  1. Puxa, mais um fim de semana recheado de emoções! Abraço a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Charles, no Turvo não tem erro ! Mas e agora no próximo fim de semana, fazer oque ? rss...
      Até lá !

      Excluir
  2. Este lugar é fantástico. Paulo, parabens pelos lifers!! Pedro Sessegolo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Pedro, nos encontramos então dia 10. Abs !

      Excluir
  3. Parabéns por tudo - pelos lifers, pela emoção transmitida no texto que dá vontade de estar junto, pelo PET, pela luta diária na conservação destes magníficos ambientes e sua biodiversidade, pela amizade do grupo, ........e pelo filme - imagens e ficha técnica (direção, elenco, figurinista,etc....).Deus abençoe vcs. EDENICE

    ResponderExcluir