Projeto Ave Missões: Pesquisa, Educação Ambiental e Conservação com Aves da Região Noroeste do Rio Grande do Sul

sábado, 2 de junho de 2018

Ave Missões e Planalto Médio na terra de Érico Veríssimo

Mergulhão-de-orelha-branca em Cruz Alta.
Foto: DAM.
* por Dante Andres Meller
Um bom contador de histórias saberia falar do tempo das sesmarias, dos outrora extensos campos de barba-de-bode cruzaltenses...

Um bom contador de histórias, nem que por um instante, traria com suas palavras a atmosfera de um tempo que foi para não mais voltar...

Não sou um bom contador de histórias, sei apenas do tempo de minhas vivências, com a certeza de que vento algum poderá soprá-las para longe daqui.

Observadores reunidos com Carlos Eugênio, sua esposa, filhas e colegas. Foto: Pedro Sessegolo.

Uns vieram de Palmeira das Missões e outros de Passo Fundo, uns de Santo Ângelo e outro de Tenente Portela, mas alguns já nos esperavam, ansiosamente, na anfitriã Cruz Alta, local eleito para a passarinhada de confraternização entre os Grupos Ave Missões e Planalto Médio neste mês de maio de 2018.

Sábado

O passeio começou ainda pelo sábado de manhã, quando nossos anfitriões Sessegolos e o casal Thuani e Luis já saíram para passarinhar. Eu, Ataiz e Furini chegaríamos somente na hora do almoço, e foi o momento que ouvimos sobre tesouras-do-brejo, veste-amarelas, entre outros mais que foram encontrados pela manhã.

Tesouras-do-brejo (Gubernetes yetapa). Foto: Thuani Wagener.

Casal de veste-amarela (Xanthopsar flavus). Foto: Thuani Wagener.

Viuvinha-de-óculos (Hymenops perspicillatus) fêmea. Foto: Thuani Wagener.

À tarde fomos explorar um local novo para observações em Cruz Alta, a fazenda do Dr. Carlos Eugênio. Ficamos bastante impressionados pelo interesse que os anfitriões demonstraram com nossa atividade, assim como também pelas matas do local. Embora encontramos alguma dificuldade em adentrar a mata, devido à ausência de trilhas, pelas beiradas fomos registrando as aves. Em um momento em que adentramos um pouco mais o mato, surgiram os registros mais interessantes, como o pica-pau-dourado e, inédito para Cruz Alta, o cabeçudo. Depois também avistamos uma cutia no local, indicando que desse mato coisas interessantes ainda deverão ser encontradas.

Beija-flor-de-topete-azul (Stephanoxis loddigesii) fêmea. Foto: DAM.

Pichororé (Synallaxis ruficapilla). Foto: DAM.

Cabeçudo (Leptopogon amaurocephalus). Foto: DAM.

Domingo

A manhã de domingo foi reservada para a Mata da Capela, em Bozano. Quando chegamos ao local, já estavam nos esperando os amigos Jonas e Rubens, vindos de Passo Fundo. O dia, porém, não estava muito bom para as aves florestais do local, e pouca coisa foi avistada. Antes de nossa confraternização de almoço, ainda fomos visitar as Lagoas da Mutuca, que o amigo cruzaltense Charles havia me apresentado outro dia. O local, sempre repleto de aves aquáticas, rendeu belas observações de marrecas e mergulhões.

Observadores em frente a canjerana centenária na Mata da Capela, em Bozano. Foto: Pedro Sessegolo.


Andorinhas-morenas (Alopochelidon fucata). Foto: DAM.

Marrecas-pardinhas (Anas flavirostris). Foto: DAM.

Mergulhões-de-orelha-branca (Rollandia rolland). Foto: DAM.

Observadores em momento de descontração no jardim dos Sessegolos. Foto: Ingrid Sessegolo.

À tardej á desfalcados de alguns participantes, fomos visitar as Lagoas e Banhados da Fazenda Boqueirão, onde topamos com alguns urubus-de-cabeça-amarela, uma saracura-do-banhado e diversas marrecas. Além disso, fomos tentar alguns pássaros nos banhados, e tivemos uma boa sorte, pois além de registramos o já esperado canário-do-brejo, topamos com um papa-moscas-canela, que rendeu chance para algumas fotos. Nesse local também ouvimos uma sanã-vermelha, mas essa sequer se mostrou aos nossos olhos. Ficará para uma próxima...

Urubu-de-cabeça-amarela (Cathartes burrovianus). Foto: Thuani Wagener.

Saracura-do-banhado (Pardirallus sanguinolentus). Foto: DAM.

Marrecas-pardas (Anas georgica). Foto: DAM.

Canário-do-brejo (Emberizoides ypiranganus). Foto: DAM.

Papa-moscas-canela (Polystictus pectoralis). Foto: DAM.

Com cerca de 90 espécies (veja lista!) foi mais uma bela saída, especialmente pelo encontro com os amigos do Grupo de Observadores de Aves do Planalto Médio. Um agradecimento mais que especial ao Dr. Carlos Eugênio e família, pelo acesso à sua propriedade, e também à família Sessegolo, que tão bem sempre nos recebe na querência cruzaltense!


Cruz Alta traz mesmo recordações de um próspero tempo passado... mas ainda hoje, na terra de Érico Veríssimo, o vento molda vivências que um dia serão ricas lembranças.
---------------------------------------------------------------------------------
Veja também

---------------------------------------------------------------------------------

7 comentários:

  1. Qué bueno que se haya podido reunir un grupo de gente que ama la naturaleza y a las aves para observarlas, apreciarlas, disfrutar del aire libre y compartir en un ambiente de camaradería. Interesantes al menos para mi varias especies que ya migraron de mi zona u otras que directamente no hay como el veste-amarela y la tesoura-do-brejo.
    Saludos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, realmente muito especial essas reuniões para observar aves entre amigos. É impressionante como esse ano temos avistado os mergulhões-de-orelha-branca... Gracias pelo comentário! Abraços

      Excluir
  2. Foi muito legal receber os amigos! Foram momentos de muita descontração, mas também de muita troca de conhecimentos.

    ResponderExcluir
  3. Realmente um momento de confraternização e de apreciação da natureza!! Espero que se repita e que eu possa estar presente!!!!

    ResponderExcluir
  4. Ótimo relato, meus parabéns! Belíssimas fotos e incríveis paisagens!

    ResponderExcluir